OLIVER TWIST - O poder de se tornar filho

Postado por Vitor Sousa , quarta-feira, 26 de maio de 2010 23:00

“Mas, a todos que o receberam, deu-lhes o poder serem feitos filhos de Deus...” (João 1.12)


No meio cinematográfico, uma prática que já se tornou corriqueira é a adaptação. Não raro, uma obra literária, ou um espetáculo de teatro, desperta a criatividade de um cineasta, que se sente compelido a “trazer à vida” personagens que povoam o imaginário de centenas de leitores. É o caso desse nosso Oliver Twist, clássico do escritor britânico Charles Dickens.

No interior da Inglaterra do século XIX, sob os maus tratos de uma duvidosa instituição de “apoio” a menores abandonados, vive o pequeno Oliver. Como todo órfão, o garoto nutre a esperança de encontrar uma família que o receba e acolha. Sem sucesso, ele decide aventurar-se numa fuga, que quase lhe custa a vida, para tentar a sorte na cidade grande – Londres. Frente à dura realidade de uma metrópole, Oliver revela-se um completo inocente que, diante da calorosa promessa de lar e comida, não percebe que está se envolvendo com o bando de vagabundos mirins liderado pelo ambicioso Sr. Fagin e seu comparsa Bill.

De fato, o bando cumpre sua promessa, mas cobra do protagonista um certo preço. Oliver é, então, instruído na “arte” – segundo o velho Fagin – de bater carteiras. Devidamente treinado, o garoto é lançado em sua primeira missão. Sem a experiência dos mais velhos, Oliver é surpreendido no ato do roubo, apanhado e levado ao tribunal (isso mesmo, as crianças recebiam o mesmo tratamento que um adulto!). No momento do julgamento, o bondoso Sr. Brownlow – de quem Oliver tentara roubar a carteira –, tomado de compaixão, decide retirar a queixa contra o garoto e levá-lo para sua casa. Ali, pela primeira vez na vida, o pequeno órfão tem contato com o conforto de um lar, recebendo do Sr. Brownlow carinho, cuidado e confiança.

Quando olhamos para essa história, inevitavelmente trazemos à memória a condição espiritual da humanidade. Poderíamos dizer que o pequeno Oliver é uma representação do homem no seu estado mais puro. Assim como ele ansiava por uma família, o ser humano tem “sede de Deus”. É fato: nunca se registrou, na história da humanidade, civilização alguma que fosse desprovida de crenças religiosas. Como explicar essa necessidade de estar apegado a um ser superior? O salmista, compreendendo esta realidade, afirma: “A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo” (Sl. 42.2a).

Sim... todos nós, como o pequeno Oliver, estamos à procura de um “Pai”. E, nessa busca, temos atravessado a existência criando deuses, que muito nos exigem e pouco nos oferecem, e religiões, que até nos confortam, mas que nos aprisionam em seus dogmas e legalismos. Assim, cada um segue pelo seu próprio caminho, agindo como acredita ser correto, sem perceber que tem andado tão perdido quanto uma ovelha desgarrada (Is. 53.6). Em todo esse tempo roubamos do único Deus Vivo a glória devida ao Seu nome, e, por direito, merecíamos o castigo nos era imposto pela Lei Divina.

Entretanto, o Deus Vivo age em nosso favor para modificar essa história. “Habitarei no meio deles e viverei com eles: serei o seu Deus e eles serão o meu povo” (2Co 6.16c). Sem se importar com nossos descaminhos, Ele derrama em nossas vidas sua compaixão sem fim, anulando toda dívida que sobre nós recaía, como fez o Sr. Brownlow. Pelo Seu amor, manifesto na pessoa de Jesus Cristo, Ele nos concede muito mais do que merecemos, exigindo em troca apenas um coração sincero que lhe retribua amor e honra. Findou-se a nossa busca. É Ele o “Pai” que tanto procurávamos, e de Suas mãos recebemos o poder de nos tornarmos filhos Seus.

Ao contemplarmos essa realidade, cientes de todas as falhas que cobrem o nosso passado e da imensidão do perdão que agora superabunda nossas vidas, outra vontade não temos senão exclamarmos como o Apóstolo Paulo: “O amor de Cristo nos constrange” (2Co 5.20).

2 Response to "OLIVER TWIST - O poder de se tornar filho"

Marcos Says:

Ainda não a película, mas diante de um comentário como esse

confesso que já estou tentado a digitar no Google:

"oliver twist download avi".

rsrsrs

V!tor Says:

Não é lá um "filmáááááásso", mas vale a pena o

download. Tem uma narrativa meio lenta do meio pro

fim (parece que não vai terminar nunca), e o ator

mirim eu achei meio fraquinho. Mas a história vale a pena.

Postar um comentário